sábado, 25 de junho de 2022

O momento do Desapego


Meus Queridos,

Lembrem-se que a elevação do vosso gradiente de LUZ é imperativo agora, para a vossa Ascensão. Aqui, esta designação de ser “imperativo” quer dizer simplesmente isto: “Ou vai... ou tem que ir! e o que tiver de ficar para trás, fica!”. Apenas o que interessa é a iluminação das vossas consciências. O momento Cósmico é mesmo este agora e não tenhais dúvidas sobre isto.

Por isso vão ter de se desapegar das vossas “personas” ou seja de tudo aquilo que alguma vez foram nesta ou em outras vidas e que até gostariam de repetir ou refazer. Todas essas lições e experiências não voltam mais, foram já validadas e ultrapassadas, aprendidas ou não. O que interessa agora é a vossa contribuição para este processo de iluminação das Consciências e da Iluminação Planetária, no momento em que as vossas funções neste domínio terminar, não ficarão por aí, virão para Aqui. E não precisam de ter medo desse momento pois o sofrimento e a dor não são a única forma de desencarnar. Como vocês sabem há diversas formas em que este processo pode acontecer, como por exemplo: o adormecer e já não acordar no mundo das formas mas sim deste lado, ou o sentir uma pequena dor no peito e passados alguns minutos e já não estão aí!... enfim... qualquer coisa deste tipo em que o processo é muito facilitado pelo fato de já não estarem apegados à vossa vidinha aí.

Claro que neste momento deverão estar a pensar: “Ah! mas eu gosto e sinto que ainda tenho algumas coisas para fazer aqui nesta vida material.” Claro que sim meus Queridos! Não vos estou a dizer que tereis de passar por este processo já amanhã. Apenas vos quero referir que enquanto tiverem trabalho para fazer aí, seja a nível do aperfeiçoamento pessoal, seja a nível da vossa contribuição para o desenvolvimento do processo de iluminação e aumento vibracional do Planeta, irão manter-se por aí a cumprir o que foi estabelecido, na base do vosso contrato encarnacional. Nem tão pouco poderíamos interferir nisso pois estaríamos a desrespeitar o princípio do livre arbítrio.

Mas o que vos queremos dizer e sossegar é que, quanto maior for o vosso desapego, quanto maior for a vossa não ingerência nos processos alheios de desenvolvimento pessoal, melhor será o vosso processo de desencarne no momento apropriado. Libertai-vos dos vossos desejos mundanos, libertais-vos por completo dos vossos apegos do possuir ou querer possuir. O ideal será viver sem desejos, ou melhor, ter apenas como único desejo o AMOR incessante e apaixonado por Deus Pai, Mãe, Filho e Espírito Santo. Também não quero que interpretem estas minhas palavras, de que terão de viver uma vida meramente contemplativa. Nada disso! Apenas e só quero que sintam isso dentro de vós onde têm essa Chama Sagrada – O EU DIVINO – aquela centelha que vos fará retornar ao Pai.

Por isso é que vos digo meus queridos, aproveitai estes dias para limparem as vossas cabeças de tudo quanto vivenciaram nos últimos tempos e para perceberem e interpretarem devidamente as alterações que terão de proceder na vossa vida. 

Lembrai-vos que a mudança é a essência da própria vida. Não mudar é resistir ao fluxo da vida. Não se esqueçam nunca disto meu Queridos!

Assim, se a vida é um processo de mudança permanente, então deveis sentir que mudanças devereis de operar para vos libertardes dos vossos apegos, quer aqueles que estiverem associadas à vossa própria personalidade, quer aqueles que estão associados às vossas responsabilidades perante a sociedade e os outros que vos estão mais próximos.

Agradeço-vos a vossa atenção e até uma próxima vez.

Abraço terno e cheio de LUZ e um beijo nos vossos corações eu vos deixo.

Canalização da Mestra NADA pela (A Mónada)

sexta-feira, 17 de junho de 2022

Neste Solstício de Verão


As energias que entram durante a influência deste Solstício de Verão deixam-nos confusos e abalados, tratam-se de momentos de alguma forma caóticos no nosso interior mas que aos poucos se vão transformando numa nova energia mais pura e amorosa.

Numa primeira fase, têm vindo de novo ao de cima o lixo mental e a carga emocional acumulada ao longo da nossa vida. É como se pudéssemos, por fracções de tempo, relembrar o que se passou no passado e as emoções e sentimentos mais densos que isso nos provocou. Mas é como se já estivesse solto e não nos pertencesse mais… é como se tivéssemos a ver tudo do nosso ponto de observação, como se já não fosse nada connosco, e tomássemos consciência que tudo não tem passado de experiências e vivências no contexto da nossa ilusão, enquanto seres humanos limitados que somos.

Numa segunda fase, começamos a sentir a libertação desse peso que andava aos nossos ombros e fomos sentindo uma energia poderosa, tão amorosa como magnífica e deslumbrante. É a energia do Cristo Cósmico que se instala em nossos corações e que solta do nosso Ser essas densidades que já pensávamos não ter. 

Esta energia é quente e doce… que aos poucos vai tranquilizando o nosso Ser, revelando a nossa essência e a nossa energia mais profunda, de que se compõe a nossa eternidade. 

Para alguns, é como se intuitivamente tivessem ganho a certeza da sua existência para além do que convencionámos chamar de morte e que não passa do mero desencarne.

Para outros, tem sido uma revelação imensa que nos vai serenando e mostrando as múltiplas dimensões do Ser Humano e da forma como construímos a nossa personalidade e o ser físico que também somos. Vamos percebendo que somos um produto das múltiplas gerações que nos precederam, que nos desdobramos desde uma consciência física à avatárica e que nos projetamos em múltiplos Universos Paralelos onde também temos a nossa existência.

No entanto, no mais profundo do nosso Ser existe uma Luz que concentra toda a Consciência do Cosmos e do Universo. A Luz de Mãe/Pai que nos dá a nossa verdadeira dimensão Cósmica e a ligação unificada com o imenso campo de consciência que todos somos e onde pertencemos. Revelam-nos o nosso verdadeiro Lar.

Perante isto a nossa alma rejubila de alegria em AMOR, ela sabe que pertence Ali… que a sua essência é Essa… que todos nós somos afinal filhos de Deus, criados verdadeiramente á Sua imagem e semelhança para co-criarmos na nossa fisicalidade, o Amor Incondicional.

A partir deste Solstício de Verão, mesmo que ainda não tenhas despertado, e que nada tenhas sentido de diferente em tua mente ou no teu corpo mais denso, intuitivamente irá aflorando a tua essência Divina reveladora e aos poucos irás evoluindo para te tornares num Homem Novo.

Aproveita agora para viajares ao interior de ti e sente o que no mais íntimo te mermurarem pois é de ti que te querem falar… de ti para ti… para um imenso Ser de Luz que tu ÉS.

Fica bem...

(A Mónada)

segunda-feira, 30 de maio de 2022

Só a Perseverança existe a teimosia não...



A perseverança é a principal qualidade dos campeões e não o esforço, ainda que este seja indispensável para o atingir os objectivos e o fazer acontecer do triunfo.

Porém, existe uma certa confusão entre esta virtude e a teimosia. A teimosia existe quando insistimos num qualquer erro, só para satisfazer o nosso ego. Não importa se acreditámos cegamente nele. Ele só se torna em teimosia no momento em que ficamos conscientes do erro e continuarmos a insistir nele.

No entanto, aos olhos dos outros, tudo em que não se acredita e se insiste, seja por quem for, parece ser teimosia independente do próprio teimoso. Se este se tornar obcessivamente obstinado então, hoje pomposamente, aplica-se o rótulo de processo de radicalização e fanatismo.

Lembremos que a mente humana tem como suporte material o funcionamento do cérebro, o qual por sua vez depende grandemente das redes neurais que se formam e que se modificam constantemente, e de um conjunto de neurotransmissores produzidos em diversos pontos do corpo, que condicionam fortemente os nossos estados emocionais.

Assim, tal como qualquer órgão, o cérebro também pode adoecer e deixar de funcionar bem, induzindo e ampliando crenças e mitos que condicionam os nossos comportamentos e a nossa própria energia.

Se assim é, a teimosia só por si não existe. Apenas existe a perseverança pois a teimosia não seria mais do que uma patologia cerebral, mesmo que momentânea, em função do sistema de crenças e da manutenção do ego erróneo.

Com isto não queremos desculpar os teimosos, apenas que cada um deixe de os ver como tal. A teimosia só por si não pode existir antes de uma qualquer mente humana reconhecer o erro e para tal é preciso reconhecer essa mesma teimosia dentro de si mesmo. Lembre-se sempre que tão teimoso é aquele que é julgado como o que o julga.

Só quando formos capazes de ver apenas a perseverança mesmo naqueles teimosos mais fanáticos ou radicalizados é que poderemos viver a compaixão. Provavelmente isto será terrivelmente difícil e até absurdo de pedir para todos aqueles que já sofreram de alguma forma com a teimosia alheia. Mas lembrem-se que o perdão passa sempre por descobrimos em nós a divindade do outro, mesmo quando este nos agride.

Por isso só a perseverança existe e ela é a base do sucesso de todos os campeões. Ela representa o verdadeiro poder da sua força de vontade. Ela é a base da Fé que remove montanhas e proporciona os milagres.

Para aprender a ser perseverante, aprenda primeiro a sentir-se sempre muito amado.

Fiquem bem

(A Mónada)

quinta-feira, 19 de maio de 2022

Conflitos


"A existência terrestre não passa de aparência e ilusão. Por isso, perante as dificuldades e provações que encontrais, deveis dizer para vós próprios:

«Na realidade, não é a mim que isto está a acontecer, é a alguém que não eu... Não sei a quem, mas, em todo o caso, não é a mim. Eu sou invulnerável, sou apenas um espectador.»

Tomemos como exemplo um actor de teatro. Todas as noites ele representa uma peça em que o seu inimigo mortal deita veneno no seu copo e ele morre. Mas, se vos acontece encontrá-lo no bar após a representação, vê-lo-eis a petiscar tranquilamente com o seu assassino: ele nem sequer receia que ele tenha vertido novamente veneno no seu copo. Então, por que não se há-de compreender que, salvaguardadas as proporções, na vida corrente se desenrolam os mesmos teatros?

Em vez de levardes tão a sério certas situações desagradáveis, dizei para convosco:

«Ah!, isto é teatro. Quando a peça tiver terminado, verei as coisas de um modo diferente.»

Se vos habituardes a raciocinar assim, já não sereis tão afectados pelos inconvenientes por que tereis de passar."


Texto de Omraam Mikhaël Aïvanhov

Comecei este post com mais um texto magnífico deste pensador. Realmente a maioria dos nossos conflitos em casa, no trabalho, no nosso grupo social, são menores se nos colocarmos no nosso lugar, enquanto seres de Luz que somos, e tivermos a consciência da dimensão Divina da nossa essência.

No seio da nossa Alma não há turbulências emocionais, não há palavras vãs que se lançam e que na maioria das vezes não tem expressão no nosso sentir, não há pensamentos críticos, objecções e julgamentos. Por isso dizemos que as Almas não discutem porque reconhecem-se como irmãs, fazendo parte do mesmo contexto Dívino.

Quem discute e entra em conflito afinal?

São os Egos claro, que mais não são que ilusões de Ser! Os Egos têm competências, criam imagens do que julgam ser, baseado em: estereótipos, crenças e mitos. Agrupam-se em clãs e constituem sociedades que se degladiam. É o grupo, a família, o partido político, a empresa, a igreja, a região… enfim, aglutinam-se até em nações e países. Tudo isto por causa de um pseudo "bem comum"… e lutam, combatem por eles…

Antes eram mais frequentes combates que punham em causa a sobrevivência e a integridade física. Hoje, nas sociedades ditas mais evoluídas, combate-se por palavras e emoções expressas… mas não deixam de ser combates altamente destrutivos também.

Mas será que devemos desistir de combater?

Eu diria que combater Sim… Claro que Sim… Mas não de defender o nosso o ideal ou o nosso propósito maior… com AMOR e mantendo-nos muito centrados na nossa Alma e com o sentir do nosso coração.

Como?

Representando os nosso papeis na vida como nos ensina o autor. Sabendo sempre que não passam disso. Simples papéis no imenso Teatro da nossa Vida Terrestre e tendo presente o que verdadeiramente somos, que é o mesmo que o nosso irmão é, m
esmo relativamente aqueles que nos quiserem agredir física e psicologicamente. 

Isto não significa que abdiquemos das nossas ideias… O que não podemos fazer é querer impô-las de alguma forma. Muitas vezes bastará, com muito AMOR, mudar o rumo ou dar a possibilidade do outro o fazer também, e se mesmo assim isto não resultar há sempre formas de conciliar as posições e encontrarem-se os caminhos que cada um deve seguir.

Olhai para todos os nossos irmãos de LUZ como fazendo parte dessa imensa LUZ que todos nós fazemos parte. Olhai para ele como um anjo que nos permite aprender novos níveis de tolerância, de Sabedoria, de AMOR Maior e concedei-lhe a ele e a si mesmo…

A imensa Graça do Perdão.


Este foi o ensinamento do Mestre Maior…

Vivam no sentir do AMOR do vosso coração e afastarão de vós toda a espécie de conflitos…


Fiquem bem

(A Mónada)

terça-feira, 26 de abril de 2022

Palavras e Linguagem


"Todas as criaturas têm uma linguagem, mas só o ser humano dispõe da palavra e, para que essa palavra tenha realmente um sentido rico, deve tornar-se a expressão do Verbo divino que apoia, cura, ilumina. Se tiverdes este ideal, a primeira regra para o realizar é decidirdes não vos deixar arrastar para maledicências, calúnias, ou mesmo palavras “no ar”. Aprendei a dominar a vossa língua, dizendo: «Se eu não me controlar, nunca possuirei o verdadeiro poder do Verbo.»

Diz-se tanta coisa durante um dia! Lançam-se críticas ou acusações com ligeireza, pensando que, se se estiver enganado ou se se for longe demais, não é grave, será fácil reparar isso. Não, as pessoas não conhecem o itinerário de uma palavra, as regiões que ela atravessa e os estragos que ela pode fazer se for violenta ou mentirosa. E que não se pense que se pode reparar o mal causado pelas palavras pedindo desculpa ou pagando algumas “perdas e danos”! Face aos humanos, talvez a situação fique reparada; mas, face às leis cósmicas, nada fica reparado, a culpa mantém-se."

Um excelente texto de Omraam Mikhaël Aïvanhov que nos relembra o poder da palavra pensada, falada e escrita.

Mas comecemos por entender que só os seres humanos têm uma linguagem própria com a qual formulam pensamentos e sentem emoções. No entanto convencemo-nos ilusoriamente que são estes pensamentos suportados em linguagem que nos definem e que sem eles seria como se não existíssemos.

Tal como os outros animais somos também somos capazes de vivenciar pensamentos através de visualizações criativas ou se preferirem através da imaginação. O problema é que desvalorizamos por completo esses mesmos pensamentos que igualmente nos provocam emoções.

No entanto, o autor do texto foca-se exclusivamente na energia da palavra e da forma como ela acaba, em primeira instância, por afetar a nossa energia, prolongando a sua existência bem para além da formulação das frases, mas não só.

A energia de cada palavra tem o poder de alterar a vibração de outras entidades que na proximidade captam e se sintonizam com ela. Esta energia pode ficar memorizada em vários tipos de suporte, físico e não só, e pode perdurar por tempo indefinido.

O Homem inventou a escrita e com ela faz com que as memórias associadas às palavras escritas perdurem através de livros, bibliotecas e mais modernamente através de mediatecas. No entanto, expressões como “nunca” ou “sempre” têm um impacto que podem durar eternidades, nesta e em outras dimensões, sobretudo se contiverem compromissos ou juras com outros seres.

Massaru Emoto, nas suas experiências com a água, demonstrou como meras intenções e palavras podem alterar a forma como a água cristaliza e as suas moléculas se organizam. Se assim é, poderemos imaginar o poder que as palavras que pensamos, escrevemos ou verbalizamos têm, em primeiro lugar sobre nós, que somos 70% água, e depois nos outros que as recebem e as processam.

E não julguem que bastará reparar ou reformular as mesmas. Lembrem-se que uma vez lançadas, as palavras iram fluir como formas de onda livres e independentes de quem as emitiu e de quem as vai receber. Se tiverem poder destrutivo, elas irão destruir independentemente do arrependimento, ou seja qual for a reparação que o seu emissor queira fazer.

Por isso a sua contenção é extremamente importante. Mas que também que não fiquem palavras por dizer, sobretudo aquelas que refletirem Amor, Sabedoria, Bom Senso e Paz.

Para que sejam fontes da Expressão Divina, com a consciência da importância do verbo, sintam-se sempre profundamente Amados, para que as vossas palavras, pensamentos e atos reflitam essa energia que afinal é a mesma da nossa essência.

Fiquem bem...


(A Mónada)

sábado, 9 de abril de 2022

A Cura Espiritual


Presentemente nas sociedades ditas modernas, a grande maioria das pessoas encontram-se profundamente desligadas da sua fonte espiritual, e é nesta corrida desenfreada em nome de um pseudo desenvolvimento, que através dos tempos se perdeu, o sentido da dimensão espiritual da Vida que faz parte de cada SER.

Assim, cada vez mais nos sentimos desligados da nossa Essência Divina e consequentemente do Espírito Universal, restando-nos a sensação de estarmos vazios, perdidos e sós, perdendo-se assim o verdadeiro significado e o propósito da Vida no Aqui e Agora de cada Um. Ao experienciarmos a dor deste vazio e de uma forma inconsciente, procuramos preenchê-lo de diversas maneiras, mas na maioria das vezes, bem longe da forma mais saudável para nós, e assim, desta forma começa-se a instalar em nós uma falsa necessidade de TER, acreditando que isso preencherá o nosso vazio e que nunca mais nos vamos sentir sós. Partimos então na busca incessante de aumentar os nossos bens materiais, e paralelamente criar relacionamentos que nos façam sentir mais felizes, nem que seja por apenas alguns momentos, e em situações mais graves podemos ainda cair no mundo das dependências, tudo isto, na ilusão de conseguir preencher o nosso vazio Interior.

Algum tempo depois, começamos a perceber que nenhum destes comportamentos mudou a nossa situação para melhorar esse vazio, nem nos sentimos mais felizes, nem mais amados, porque afinal este vazio é profundamente espiritual, e então verificamos que é neste aspecto que temos de mudar os nossos comportamentos, porque é nesta falta de ligação espiritual que se concentra a raíz da maior parte das nossas doenças sociais, culturais e claro dos nossos problemas pessoais. Também os problemas existentes no mundo são reflexo dos nossos problemas pessoais, isto porque a Consciência Colectiva é constituída por indivíduos. Na verdade, todos estes problemas colectivos só podem ser resolvidos, quando nos curarmos a nós próprios, até ao mais profundo do nosso SER.

Um trabalho de Consciência com esta abrangência, é um grande desafio à nossa Força Interior, visto que não é no exterior que vamos encontrar a CURA, pois a verdadeira CURA é a que vem de dentro. A Cura Espiritual dá-se quando encontramos um meio de nos religarmos com a nossa Essência, entando no nosso âmago Amoroso, assim que conseguimos fazer esta religação, começamos a sentir um novo sentido de Unidade com a Natureza e com todos os outros seres de uma forma segura e confiante. Após este contacto com a nossa verdadeira dimensão espiritual, desenvolve-se em nós a capacidade de experienciar uma perspectiva expandida da Vida, de forma individual e também como parte da humanidade.

Assim em vez de permanecermos, mergulhados diariamente, num mar de frustrações e nos conflitos da nossa personalidade, passamos a ver as coisas pela perspectiva da Alma, ou seja, pelo propósito de Vida, nesta passagem pelo planeta Terra, ajudando-nos ainda a analisar os nossos problemas na base de um Propósito Maior, e encontrar o significado profundo de todos eles, o que nos leva ao encontro do nosso propósito de Vida. Desenvolver a Consciência Espiritual, é a base que nos permite acessar aos outros níveis de Cura. Sem este contacto Interior, é muito difícil ou quase impossível, encontrar forças para enfrentar as dificuldades e os desafios para Curar outros níveis.

A Cura Espiritual não acontece da mesma forma para todas as pessoas, para uns pode dar-se de uma forma rápida, para outros pode prolongar-se por vários anos. O despertar espiritual, acontece na maioria das vezes, num momento de grande crise física ou emocional, mas também é algo que pode ser cultivado ao longo dos anos através da meditação e da oração. Qual será então a melhor forma de alcançar a Cura a este nível? A melhor forma será sem dúvida aquela que nutre a nossa ALMA. Ora, na maioria das culturas, é dado uma grande importância ao acto de FAZER, mas presentemente já conseguimos compreender que o acto de SER é de extrema importância para o nosso verdadeiro desenvolvimento Interior porque já nos reconhecemos e aceitamos como seres divinos pertencentes ao Mundo espiritual.

O tempo de SER, permite-nos descansar, e libertar de tudo o que nos oprime, desviarmo-nos do mundo exterior e virarmo-nos para o nosso mundo Interior, ao encontro de NÓS. A capacidade de estar em sossego por algum tempo, é a porta para a nossa dimensão mais profunda. È necessário e urgente entrarmos no plano de SER para nos ligarmos profundamente à Fonte. Trazemos a Cura Espiritual às nossas Vidas quando encontramos o modo de fazer este contacto Interno de forma regular. Significa pois, desenvolver uma prática espiritual, que funcione para cada um, escutando sempre a vontade expressa pelo CORAÇÃO, e depois tomar o compromisso de a exercer com regularidade.

Fiquem na minha Paz

EU SOU A VOZ DO CORAÇÃO

EU SOU


MARLIZ