sábado, 6 de outubro de 2007

Viver o AMOR de DEUS.


Na Alemanha no inicio do século XX, durante uma conferência com vários universitários, um professor da Universidade de Berlim desafiou seus alunos com esta pergunta:
- Deus criou tudo o que existe?
Um aluno respondeu valentemente:
- Sim, Ele criou…
- Deus criou tudo? Perguntou novamente o professor.
- Sim senhor, respondeu o jovem.
Então o professor afirmou:
- Se Deus criou tudo, então Deus fez o mal. Pois o mal existe, e partindo do preceito de que nossas obras são um reflexo de nós mesmos, então Deus é mau...
O jovem ficou calado diante de tal resposta e o professor, feliz, regozijava-se de ter provado mais uma vez que a fé era um mito.
Outro estudante levantou a mão e disse:
- Posso fazer uma pergunta, professor?
- Claro!, disse o professor.
O jovem ficou de pé e perguntou:
- Professor, o frio existe?
- Que pergunta é essa? Claro que existe, ou por acaso você nunca sentiu frio?
O rapaz respondeu:
- De facto, o frio não existe. Segundo as leis da Física, o que consideramos frio, na realidade é a ausência de calor. Todo corpo físico é susceptível de deter calor e transmitir energia. O calor é o que faz com que este corpo tenha ou transmita energia. O zero absoluto é a ausência total e absoluta de calor, todos os corpos ficam inertes, incapazes de transmitir energia, mas o frio não existe. Nós criámos essa crença para descrever como nos sentimos se não temos calor.
- E, existe a escuridão? Continuou o estudante.
O professor respondeu:
- Existe.
O estudante respondeu:
- Novamente comete um erro, professor, a escuridão também não existe. A escuridão na realidade é a ausência de luz. A luz pode-se estudar, a escuridão não! Até existe o prisma de Nichols para decompor a luz branca nas várias cores de que é constituida, com seus diferentes comprimentos de ondas. A escuridão não! Um simples raio de luz atravessa as trevas e ilumina a superfície onde termina o raio de luz. Como pode saber quão escuro está um espaço determinado? Com base na quantidade de luz presente nesse espaço, não é assim? Escuridão é uma definição que o homem desenvolveu para descrever o que acontece quando não há luz presente.
- Agora professor ainda acha que o mal existe? Questiou o aluno.
O professor respondeu:
- Claro que sim, é obvio que existe. Como disse, desde o começo, vemos estupros, crimes e violência no mundo todo, essas coisas são o mal.
E o estudante respondeu:
- O mal não existe, pelo menos não existe por si mesmo. O mal é simplesmente a ausência do bem, é o mesmo como nos casos anteriores. O mal é uma definição que o homem criou para descrever a ausência de Deus.
Deus não criou o mal. Não é como a fé ou como o amor, que existem como existem o calor e a luz. O mal é o resultado da humanidade não ter Deus presente em seus corações. É como acontece com o frio quando não há calor, ou a escuridão quando não há luz.
Naquele dia no início do século XX, este jovem foi aplaudido de pé e o professor apenas balançou a cabeça e permaneceu calado.

Recuperado, o professor reconhecendo a sabedoria daquele jovem, perguntou-lhe qual era seu nome. O jovem respondeu: Albert Einstein

Texto de autor desconhecido

Desconheço se esta história é verídica e de quem é o seu relato, mas faz-nos pensar na forma como nos colocamos perante a dualidade. Este professor reconheceu o seu erro... Somos nós capazes de reconhecer o nosso erro cada vez que temos formas de pensamento dual como ele? Não funcionamos normalmente assim também?

Albert Einstein, na sua já grande mestria e através da física, demonstra que tudo é Uno com Deus. Nesta unidade apenas poderá existir o afastamento de Deus, da nossa essência e com isso da LUZ. Podem sentir-se assim quando o vosso coração deixa de sentir amor também.

Deixem então de se julgar e assim também de criticar os outros pois isso são formas de pensamento dual.



Vivam no AMOR e verão Deus em cada irmão também.

Fiquem bem. Fiquem em AMOR...

(A Mónada)

3 comentários:

Anónimo disse...

Obrigada pela tua Entrega e pelo teu Amor!
Bem hajas!

Excelsior disse...

Boa tarde...

...

"Deixem então de se julgar e assim também de criticar os outros pois isso são formas de pensamento dual.

Vivam no AMOR e verão Deus em cada irmão também."

...

(...Falho, eu. Falho, falho, falho!...)

...É complicado, por vezes, ter-se certas verdades, como tão naturais, e outras... quiçá, ainda mais evidentes... escaparem-se entre os dedos, em momentos fulcrais...

...

Cansado, de facto, de me permitir a ausências de Luz...

...

Grato pela partilha... E, como tenho estado a fazer com outros 7 blogs, peço permissão para adicionar este blog à minha lista de "vôos", no meu...

...Em Amor fraterno... uma Prece de Luz... de alguém que se sente muito pouco, com ela, nesta sua fase...!

tapué moá disse...

Agradeço a partilha deste texto.
Aqui e agora, estas palavras tocaram-me muito.
Af«gradeço pelas lições de cada dia, e ao mestre presente em cada ser.