segunda-feira, 3 de março de 2008

O momento do DESENCARNE...

Na continuação do post anterior abordamos agora o momento do desencarne...

“A Mónada dá a ordem para desencarnar e o psíquico começa a desactivar os chacras, sendo que o primeiro a ser desactivado é o chacra da raiz. Neste instante, o que se sente é um súbito frio na extermidade dos membros (pés e mãos) que começam também a ficar pesados. O desligar deste primeiro centro energético significa o fim da dor física. Este é o momento em que se começa a sentir uma leveza, como se todos os pesos da vida tivessem sido tirados de cima. Mas se o ser está muito identificado com o corpo, ele tentará mexer os membros, procurando contrariar ou até dificultar os processo de desencarne.

À medida que o segundo chacra começa a ser desactivado, os braços e as pernas ficam imóveis; simultaneamente começa a sentir-se uma sensação de infância, de inocência, e dá-se uma espécie de pacificação profunda com as leis do Universo. A nossa criança interior começa a emergir. Então toda a energia do ser começa a concentrar-se na zona cardiaca e na cabeça, tal como acontece nos casos de hipotermia, sendo acompanhada por uma expansão ou libertação da consciência.

Quando o terceiro chacra é desconectado, fica-se subitamente hipersensível à atmosfera psíquica envolvente, sente-se tudo o que se passa e a sensibilidade ao plano astral aumenta exponencialmente.

Quando o quarto chacra é desactivado, a pessoa sente o último impulso de despedida, o último fôlego. Acontece algumas vezes as pessoas abrirem muito os olhos e assim pernanecerem. Tal é o deslumbramento perante a LUZ do seu EU SUPERIOR que o vem buscar. Por vezes acontece o ser esboçar um sorriso final típico do encontrar uma PAZ que remove toda a angústia. O psíquico começa a atrair para si o “eu consciente”. Quem acompanha o ser nesta fase do processo de desencarne deveria entrar em oração, em silêncio total, oferecendo o seu campo vibratório como estabilizador.

No momento em que o quinto chacra é desligado, o ser adquire clarividência auditiva e começa a ouvir os Anjos sendo que o processo de desencarne é acompanhado a partir de agora por Eles. Se for permitido, vem até ao plano astral um ente querido (ou a sua expressão astral) para facilitar a saída do corpo físico, auxiliando o processo de desapego e “desidentificação” com aquele corpo cuja a sua energia etérica se estar a extinguir.

No momento em que o sexto chacra é desactivado, começa a ver-se com os olhos do psíquico e, nesses sessenta segundos anteriores à transição, contacta-se com toda a dor produzida ao longo desta vida, assim como se contacta com a Luz gerada. Este é o momento que se faz a revisão de toda uma vida... as alegrias, as tristezas, os ódios, todas as emoções co-criadas. A desactivação deste sexto centro energético assinala o início da morte cerebral e, com ela, a perda total da percepção objectiva. A visão física desaparece mas a audição vai permanecendo mais um pouco. À medida que o cérebro vai morrendo o ser vai-se tornando telepático e começa a ter consciência do que todos os viventes pensam à sua volta.

Quando o sétimo e último chacra é desligado, o cérebro morre e o ser liberta-se ficando a flutuar logo por cima do corpo. A saída do corpo faz-se pelo alto da cabeça ou chacra da coroa. Com a morte do cérebro dá-se, em termos de percepção final, uma espécie de relâmpago muito luminoso. Por ordem da Mónada o cordão de prata é cortado pelo Eu Superior. O ser renasceu para a sua nova Vida enquanto Espírito.

Terminou então, definitivamente, a vida naquele corpo.
Sequencialmente, os sete centros energéticos designados por chacras, foram desactivados um a um. Durante todo este processo a cada diminuição de percepção objectiva no plano tridimensional, existe um correspondente aumento da percepção nos planos subtis de consciência.”

Texto adaptado do Livro “A MORTE – A grande viagem Interdimensional” de Paulo Nunes.

Escolhi este texto pois sintetiza muito bem o que diversos outros autores que tive a oportunidade de consultar e ler, como por exemplo Graig Hamilton-Parker e André Louro de Almeida, referem nos seus livros e palestras.

Espero assim ter contribuido para desfazer o medo do momento do desencarne.

Fiquem bem na PAZ do reencontro com a vossa LUZ...

(A Mónada)

5 comentários:

soli-arte.blogspot.com disse...

oi. Com toda a verdade eu não tenho medo do desencarne, mas este texto ajuda realmente a antever e a aceitar melhor esse processo, pena tenho, se é que devo utilizar este tsrmo, que nem todos tenhamos acesso a este tipo de informação.
Obrigada não só por este texto que me deu a oportunidade de ler, mas por todos os outros que coloca no seu blog.
bem haja.

Anónimo disse...

Olá, eu penso que ter fé, já diz tudo.
Acreditar em Deus, também já diz tudo.
Por isso é que não devemos ter medo.
Jesus deixou tudo concluido, para que nós o seguissemos em sua verdade.
Basta sermos fieis a Jesus que seremos fieis com nós mesmos.
E porque deste medo...
Acredito que se aqui fizermos o melhor, lá teremos igual e continuaremos na evolução com jesus.

Anónimo disse...

Interessante sua abordagem...esse texto explica, em parte, o processo de desencarne. Porém, esse desligamento paulatino dos chacras não deve ocorrer dessa forma quando a morte é súbita ou trágica, por exemplo, nos acidentes, concorda?
Será que é sempre indolor?

Anónimo disse...

Interessante sua abordagem...esse texto explica, em parte, o processo de desencarne. Porém, esse desligamento paulatino dos chacras não deve ocorrer dessa forma quando a morte é súbita ou trágica, por exemplo, nos acidentes, concorda?
Será que é sempre indolor?

Anónimo disse...

Eu vi qdo minha mae desencarnou em sonho e foi muito parecido com isso que ta escrito,vi o cordao de prata sendo cortado...tb vi qdo minha filha encarnou esse relampago exatamente igual ao relatado..