quarta-feira, 10 de janeiro de 2007

A Partilha e Os Apegos

Sinto-me de novo com vontade de escrever como se fosse em “modo automático”. À partida não sei por onde começar e o que escrever...

Mas algo começa a surgir e que tem que ver com a partilha e os apegos.

Comecemos então:

Enquanto quiser que a vida seja para mim um mistério divino, tenho que saber em cada momento qual a missão, no âmbito do meu propósito mais elevado, e libertar-me dos apegos que me prendem às rotinas, até porque algumas delas apenas tem o sentido, único, de alimentar o Ego.

Coloca-se então a pergunta? Então o que fazer e como o fazer?

Sabemos que deixar o que nos dá prazer ou o que amamos é difícil, porque causa dor e sofrimento pela separação e perda que lhe está associado, designadamente através do processo mental alimentado pelo nosso corpo de dor.

Por outro lado, nada nos pertence e nada é para sempre. Então tudo o que co-criamos deve ser partilhado por todos, ou pelo menos por aqueles que nos estão mais próximos.

Isto não significa que deixemos de amar o que criámos ou o que a nós nos foi confiado para gozar, usufruir e vivenciar nesta vida.

Pelo simples facto de partilhar, e de partilhar com amor, ficamos a saber que o que criamos é entregue a quem dele verdadeiramente pode e deve cuidar. Poderão chamar-lhe “Universo” ou “Céu”. Eu prefiro chamar-lhe o TODO a que cada um de nós pertence.

Mais uma vez este simples facto de o fazer com amor e com um profundo sentido de responsabilidade, faz com que se desencadeie a libertação de uma energia em nós, que vinda do coração, se torna aos poucos e poucos tão gloriosa e plena.

Será isto o AMOR incondicional? O AMOR perfeito?

De repente noto que esta NAVE Azul tem e teve desde o princípio o propósito da partilha da informação e do conhecimento.

Revelo-vos hoje mais um segredo... Ela não pode ser só minha.... Ela tem de ser de todos vós.
Por isso gostava de vos sugerir comentários em como posso partilhá-la ainda mais. Como abri-la para poderem postar como eu aqui.


Fiquem bem.
Eu fico à espera das vossas sugestões e comentários.

(A Mónada)

6 comentários:

Chama Violeta disse...

Novamente mais um belíssimo post teu.Confesso: chegou num momento em que sinto que estou presa em certos apegos...Onde preciso deixar meu EGO de lado e deixar muita coisa fluir! Não é fácil,mas eu chego lá.
Preciso confessar algo: peguei tua mania: FICA BEM,FIQUEM BEM!!! Hehehe...
Fica bem...

greentea disse...

às vezes o dificil é saber qual a nossa missão , em cada momento...

elmano sadino disse...

O meu homónimo não desdenharia escrever uns sonetos contigo Mónada. Continua, da partilha sai sempre algo maior.http://sapientus.blogspot.com/

Anónimo disse...

Mónada, escuta a simplicidade que emerge quando estás no teu centro. Sem pensar em tempo deixa fluir a sinceridade de ser e partilha da melhor forma que tu sabes no momento com a pureza que te deu origem a mensagem com muito amor e sem apegos.

Outros, em sintonia, de forma visível ou invisível estarão em acção contigo.

Quando um ou mais se reúnem num propósito maior e quando o Universo entender que o alinhamento está feito, do sonho de uma vida ou mais, a luz inunda a obra e ela nasce no plano adequado...

Um abraço estelar e até sempre...

OM-Lumen

o alquimista disse...

Olá Avatara, eu já embarquei natua nave e estou docemente a contemplar a tua sublime inteligência...

Doce beijo

sorrisos felizes disse...

Quanto mais leio os teus posts, mas fico com a sensação que tenho muito que pesquisar, e que ainda estou muito perdida.
Obrigado pelas teus pensamentos