sexta-feira, 9 de fevereiro de 2007

Arte Budista...

Conta-se que eles levam muitas horas a fazer estas mandalas em areia com uma perfeição só possível, devido à dedicação que colocam na sua construção...

Podem imaginar a paciência e amor que lhes dedicam?... Quando terminam. Podem advinhar também a sensação de obra concluida, de beleza interior e de plenitude? Mas também de posse e de orgulho de ter conseguido chegar ao fim... Pensamentos esses considerados egoicos...














Nesse mesmo instante terão de o destruir ... Apenas um sopro... basta um pequeno sopro para tudo destruir... e são eles mesmos que têm de o fazer...

É a forma de aprender a não ter apegos...

Assim será, tudo o que pensares que possuis na tua Vida... Mas vale sempre apena ter feito uma coisa tão bela... mesmo que dure tão pouco tempo.

Assim, são as flores... Assim és tu nesta vida em face da tua existência eterna ... Assim, devemos vivenciar a vida porque ela é mesmo assim... efémera e linda de se viver.















Sintam-se agora a fazer estas mandalas de areia... como gostavam em crianças de fazer um puzzle... e no fim soprem a areia...

Sintam que mesmo assim foi bom teres realizado esta obra. Reparem agora que afinal o AMOR está em ti e não precisas de nada nem de ninguém para o sentires.

Sintam esse amor em todas as coisas que façam por mais penosas que vos pareçam.... Vão ver depois que afinal não foi tão penoso assim.



Fiquem bem.


(A Mónada)

4 comentários:

Célia Marina disse...

Essas mandalas são maravilhosas...espero que um dia de minha vida, eu consiga ter esse dom!!!!de fazer a mandala e de vê-la ir embora...

Namastê

Célia

Cachorro Cosmico Branco disse...

Adoro este texto. Adoro esta mensagem.

Abraço-te

Lord of Erewhon disse...

Bom como terapia ocupacional da classe média! :)

Om-Lumen disse...

O mandala é a minha mesa de trabalho onde a impermanência de um mundo físico é manifestada...

OM-Lumen