terça-feira, 31 de outubro de 2006

"Amar de Olhos Abertos"


Depois de ler o livro de Jorge Bucay e de Silvia Salinas: “Amar de Olhos Abertos” escrevi o seguinte texto nos comentários do BookCrossing:

Foi uma leitura impulsiva, compulsiva também, do que se vai sabendo em cada página.

São muitas as ideias que ficam, muitos os temas de reflexão.

É grande a aprendizagem, o que me agrada, quando leio um livro.

"Tu, que sentias que amavas demasiado e te julgavas tão generosa, dá-te conta de que lhe dás somente o que tu lhe queres dar, de que não te preocupas em saber do que é que ele precisa, de que só dás pela tua necessidade de dar e não pelo bem que lhe poderá fazer a ele o que lhe estás a dar."

O livro trata, romanceando, da terapia de casais. Nessa terapia tem a abordagem de nos levar a reflectir, cada vez que imputamos um erro ao outro, que analisemos o que se passa connosco, que procuremos saber o que nos está a acontecer, o que precisamos ou o que sentimos.

É assim, uma abordagem diferente...

"É muito vulgar perguntar a uma pessoa numa sessão de casais:
- O que se passa consigo?
E ela responder:
- O que se passa comigo é que ele não entende...
E eu insisto:
- O que é que lhe está a acontecer a si?
E ela volta a responder:
- O que me acontece é que ele é muito agressivo!
E eu continuo até ao cansaço:
- Mas o que é que você sente? O que é que acontece consigo?
E é muito dificil que a pessoa fale daquilo que lhe está a acontecer, daquilo de que precisa ou do que sente. Todos querem sempre falar do outro."


Até parece que os autores tinham estado a espreitar o que se tinha passado comigo no dia anterior.

Afinal, que se passa comigo? Que preciso? que sinto?

É essa a minha reflexão.

Rosário

4 comentários:

A Mónada disse...

Gostei deste post... e afinal é bem assim. Continua. A Nave fica à espera de mais post's teus.

Fica bem.

António Rosa disse...

Rosário

Gostei. Apreciei. Aprendi.

Um beijo para ti e um abraço à Mónada.

lubenlira disse...

Curioso, tenho este livro na estante à espera de ser lido. Uma irmã ofereceu-mo e diz que "é para mim". Agora, fiquei mais interessada na história. Vou ler de seguida.

Um abraço amigo

Anónimo disse...

Muito elucidativo! vale a penas ler mas ler com a mente aberta e pronta a aceitar-se.