domingo, 3 de junho de 2007

Já não tinha um dia assim há muitas ‘Luas’...


“Já não tinha um dia assim há muitas ‘Luas’, desde que era considerado um VIP.” – foi assim que comecei uma conversa um dia destes - como tudo é efémero e não passa de uma grande ilusão em que o Universo é o GRANDE UDINI... ou apenas, neste caso, o meu EGO.


Não passou por isso de um papel que desempenhei nesta vida e aquilo que fui, que julgo ser hoje ou o que desejo ser amanhã, não passa disso. Os papeis desta vida. São importantes cada um deles... mas nada é tão importante quanto a grandiosidade de Deus, de que nós somos apenas uma infima parte. O que são estes papeis tão efémeros, em face da nossa eternidade?

Não posso dizer que não gostei de ser considerado um VIP... Gostei sim!... Agora também gosto de ser o que sou com a consciência de que, o que Sou, nada tem que ver com os papeis que desempenho a não ser pelo sentir, pelas emoções, pelas acções e obras realizadas, que deixei para trás...

O que fica é apenas, e é TUDO, o mero gozo da realização ou se quiserem da criação.

Durante muito tempo saudosista daquilo que orgulhosamente fui... construi o meu EGO baseado em realizações do passado... e acabei por sofrer com isso... Hoje sinto que a verdadeira alegria vem com a criação que faço em cada momento.


No outro dia li um texto que dizia que a verdadeira criação é a que se sente e pensa, e ao gerar-se emoções, estas possibilitam-nos a memorização e a aquisição de novos conhecimentos.

Aprender as nossas lições de vida de acordo com o nosso plano original é o que afinal andamos cá a fazer e isso significa ganhar consciência, experiência, conhecimento e sabedoria. É isto que significa co-criar com Deus.

Reparem que tudo o resto mais físico não passa de uma recriação pois todos os elementos já existiam antes, apenas os recombinamos para obter uma nova realização.

Hoje aprendi que existe um aparente antagonismo entre a harmonia e o conflito. É aparente pois no processo evolutivo estes dois estados têm que co-existir pois nunca saberiamos o que é um e outro sem os sentir e sem os vivenciarmos interiormente. São as nossas emoções que decorrem das transições desses dois estado que despoletam os nossos mecanismos de memorização, de alteração de comportamentos, de padrões de pensamento e de níveis de consciência.
Já sentiram que é quando se encontram em conflito interior que mais intuitivos se tornam quando se mantém no AGORA?

É assim, enfim, o nosso processo de desenvolvimento, o nosso plano evolutivo.

Mesmo que estejam a passar por uma situação difícil nunca se esqueçam que a verdadeira paz não é o final de um conflito... mesmo que interior...

A PAX Universal é a total ausência de negatividade e densidade... é a completa iluminação do Ser.

É o AMOR Universal.

Nem precisam de se preocupar com a escuridão... pois a LUZ é como o Sol quando nasce... ela não elinina a escuridão ela é LUZ e onde há LUZ não há escuridão... Tal é o poder do AMOR.

Com todo o amor desejo que...

Fiquem bem.

(A Mónada)

1 comentário:

António Rosa disse...

Mónada

Excelente. Gratificante vir aqui sentir estes teus ensinamentos.

Um abraço

António